Conheça o problema sexual que afeta boa parte dos homens!

Disfunção erétil ou impotência sexual é a impossibilidade contínua de manter uma ereção forte o suficiente para uma relação sexual normal.

Homem triste olhando para baixo

Origem da Disfunção Erétil 

Como para alcançar uma ereção, vários órgãos e tecidos necessitam funcionar em harmonia, existem várias formas que afetam um ou mais desses “participantes” e podem cursar com disfunção erétil. 

Quase nunca os especialistas encontram exatamente qual o percentual de participação de cada estrutura do processo. A impotência sexual está relacionada a algumas doenças e buscar um tratamento da disfunção necessita descobrir sua causa.

O que causa disfunção erétil:

  • Distúrbios psicológicos
  • Doenças hormonais (diabetes, queda de testosterona, problemas endócrinos)
  • Doenças neurológicas (lesões na medula, mal de Alzheimer e Parkinson)
  • Doenças vasculares, que causam entupimento das artérias e veias, dificultando a passagem do sangue ao pênis (hipertensão arterial, aterosclerose)
  • Utilização desenfreada de medicamentos
  • Cirurgias pélvicas
  • Doença de Peyronie ou fibrose dos corpos cavernosos
  • Alcoolismo e tabagismo.

Fatores de risco

Todos os conhecidos fatores de risco para distúrbios cardiovasculares como infarto e derrame estão relacionados a fatores de risco para disfunção erétil. São eles:

  • Diabetes
  • Hipertensão arterial
  • Dislipidemia (colesterol e triglicérides alterados)
  • Tabagismo
  • Obesidade
  • Sedentarismo.

Isso se dá por causa da necessidade de um grande aumento do fluxo sanguíneo para que o pênis fique duro. Quando a circulação está comprometida nos órgãos por um desses fatores, a disfunção erétil pode surgir.

São indícios tidos de risco as situações que afetam a autoconfiança do homem como desemprego, aposentadoria, crises financeiras, luto na família, entre outros.

Vale lembrar que a idade não constitui uma causa de disfunção erétil.

Diagnóstico e Exames

Procurando um profissional

Dificuldades de ereção podem acontecer a qualquer homem. Mas quando a ereção falhar e isso acontecer frequentemente, é importante procurar ajuda médica. Lembre-se que os fatores de risco são semelhantes e que a dificuldade de circulação para o pênis pode ser indícios do corpo que não andam bem.

Como diagnosticar a Disfunção Erétil

A impotência sexual tem solução e o primeiro passo é o diagnóstico correto.

Saiba mais: Vídeo: saiba como é feito o diagnóstico da disfunção erétil

Em seguida ele busca identificar a origem de risco como os citados acima. 

Por exemplo: se o diagnóstico apresentar hipertensão arterial, ela precisa ser tratada. Quando o problema é o controle da glicose, o médico irá indicar um tratamento.

O próximo passo é tratar o problema em si e atualmente existem diversos tratamentos para corrigir a dificuldade sexual.

O diagnóstico da disfunção erétil é eminentemente clínico, ou seja, o médico consegue entender do problema conversando com o paciente.

Ecodoppler peniano

Se os tratamentos por via oral não resolvem, os médicos indicar o paciente para o especialista, que é o urologista. Ele vai aprofundar a investigação e pode utilizar um novo método usado para diagnosticar a disfunção erétil: o ecodoppler peniano. 

Nesse exame é feito um medicamento injetável no pênis e uma ereção é produzida. Esse exame é feito para verificar o fluxo arterial, observar o comportamento da túnica que reveste os corpos cavernosos e avaliar a resposta erétil obtida.

O procedimento é realizado no consultório médico ou clínicas de radiologia e o medicamento começa a agir em 5 a 10 minutos. O procedimento com injeção intracavernosa e Doppler serve para avaliar a gravidade da disfunção erétil e dessa forma possibilita ao urologista pensar em alternativas terapêuticas como a auto-injeção ou implantes penianos (as famosas próteses).

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Disfunção erétil

O tratamento da disfunção erétil se inicia identificando os fatores de risco e os tratando. Por fim, o médico normalmente costuma prescrever os medicamentos orais conhecidos como inibidores da fosfodiesterase tipo 5. Sildenafila, vardenafila e tadalafila são os mais comuns e utilizados.

Quando a medicação oral é usado na proporção correta não resolver, outras opções terapêuticas consideradas de “segunda linha” como bomba de vácuo, injeções de vasodilatadores e na chamada “terceira linha”, as próteses penianas, que são o último recurso.

É bom ressaltar pois nem sempre é lembrado, consiste em cuidar do relacionamento. Estar atendo a parceira e como o casal está conduzindo seus problemas e questões. Na maioria das vezes, o apoio de psicólogos ou outros profissionais para melhorar a relação com sua parceira.

Medicamentos para Disfunção erétil

Os medicamentos mais comuns para o tratamento de disfunção erétil são:

  • Cialis
  • Viagra

Somente um médico consegue indicar o medicamento mais indicado para corrigir a sua dificuldade, além de adequar a dose correta e o tempo de tratamento. 

Siga sempre à risca a indicação do médico e NUNCA se automedique. Não pare o tratamento sem consultar um médico antes e, se ingerir acima do indicado ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga a recomendação na bula. Não faça testes em que ocorra a comparação do desempenho com ou sem medicação (do tipo: “hoje não tomarei o remédio para ver se corrigi meu problema…”).

Convivendo (prognóstico)

Prognóstico

São várias as causas para a disfunção erétil, o retorno a rotina muda constantemente. Sabemos hoje que os problemas mais complexos para correção da dificuldade incluem os diabéticos e os pacientes que realizaram prostatectomia radical (cirurgia para tratar o câncer da próstata). Estes têm mais dificuldade a terapia oral frequentemente. existem outras soluções para eles, terem uma relação sexual dentro da normalidade.

Disfunção erétil tem cura?

Existem vários tipos de tratamento para qualquer tipo de impotência sexual. Busque ajuda médica e crie uma rotina de vida saudável. Tenha contato direto com o médico e mantenha ele atualizado sobre o seu problema. Não tenha vergonha e siga as recomendações médicas.

Se o paciente se compromete com o tratamento e ele tem a capacidade de monitorar os fatores de risco identificados, por exemplo, em um homem fumante, acima do peso e sedentário que resolve depois do diagnóstico de impotência sexual se exercitar regularmente (tendo visitado antes seu cardiologista que o liberou para prática de exercícios físicos), perde peso e para de fumar, o cenário de disfunção tende não somente a estabilizar mas pode ser curado.

Prevenção

Prevenir a disfunção erétil é de suma importância que tenha boa circulação sanguínea, inclusive, as recomendações são muito semelhantes àquelas fornecidas nos consultórios dos cardiologistas:

  • Tenha um estilo de vida saudável
  • Controle seu peso
  • Pratique exercícios com frequência.

Visite seu médico regularmente e esteja sempre controlando os chamados fatores de risco:

  • Se é tabagista, suspenda o uso de cigarro;
  • Se for hipertenso, siga o tratamento à risca e tome o medicamento sempre;
  • Se for diabético, controle as taxas de glicose, seguindo a dieta e usando a medicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *